Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

{ Já agora... }

... tinha passado cá a noite!

E não é que vieram contar a àgua às OITO DA MANHÃ? É mesmo boa hora para quem tem de ir trabalhar, levar miúdos à escola ou até mesmo dormir!

 

Ainda se fosse um gajo jeitoso para nos deixar bem dispostas para o resto do dia..! Agora uma meia leca envelhecida...! Humpf!

 

Onde é que se pode reclamar?! Do gajo, claro!  :P

smile28.jpg

 

 

{Da minha ausência. }

É verdade, tenho estado um pouco "calada". Isto deve-se a estar com um pequeno problema de saúde que me faz sentir muito cansada, sem energia nenhuma, oca de ideias, letárgica, e a minha única vontade, para os próximos tempos, era estar esticada no sofá sem mexer uma palha.

Espero que em breve a coisa melhore. Juro que vou fazer um esforço hercúleo para escrever aqui qualquer coisinha! 

sofa.jpg

 

 

 

{ Caiu-me o queixo! }

Um professor titular de uma determinada escola, mandou um recado pelos alunos aos pais por causa dos exames de 4º ano que se aproximam: tomar Valdispert para acalmar os nervos.

 

Pergunto, há necessidade de crianças tão pequenas estarem a tomar seja o que for para acalmar os nervos para uma prova que é mais uma ideia mirabolante do ME e que, no fim das contas, não tem assim tanta importância? Não seria muito mais adequado relevar a importância do exame, fazer um trabalho de tranquilização com os alunos, explicando que o exame é apenas um teste igual aos outros e que ali devem apenas fazer o seu melhor para mostrar o que aprenderam?

 

Se com um exame de 4º ano os miúdos atacam no Valdispert, quando chegarem à faculdade e, aí sim, fizerem exames importantes que podem condicionar a sua vida  e terem um ataque de nervos legítimo, vão tomar o quê? Uma heroínazita ou cocaína?

 

Ha coisas completamente surreais, como é o caso desta situação. Acreditem que quem devia tomar trezentas caixas de Valdispert era este professor!

Como reagiriam se recebessem um "recado" destes?

{ (Des)Acordo Ortográfico.}

Não concordo nada com este (des)acordo ortográfico. atribuam-lhe todas as virtudes e benefícios que derem jeito mas eu não o vejo assim.

Não considero uma uniformzação da Língua Portuguesa e sim uma descaracterização desta. É bem certo que através dos tempos houve vários fenómenos fonéticos que provocaram alterações à Lingua, mas isso é diferente de uma imposição governamental.

Por acaso foi inquirido aos portugueses ou outros países de língua oficial portuguesa o que pensavam sobre isto, se estariam de acordo? Não. Impõe-se e mais nada. 

Por aqui, pelo blog, vou escrever como sempre aprendi, e - apenas "E" - se me der na telha, escreverei algumas palavras de acordo com o desacordo ortográfico.

{ Uma questão de sorte. }

Hoje sinto-me triste. Sinto-me triste porque vejo que o meu karma, destino, sorte - o que lhe queiram chamar - não muda. 

Esforço-me, tento procurar maneiras para dar a volta mas verifico que não consigo sair do mesmo sítio. Pelo contrário, cada vez sou mais engolida por um vórtex que me suga sem eu conseguir compreender porquê, o que estou a fazer mal, o que fiz de mal.

Quero mudar tudo, quero que a minha vida seja diferente mas não consigo. O universo não colabora, nunca há nada a meu favor, faça eu o que fizer.

E a tal conversa de que "a mudança está em nós", não é bem assim. Há que ter nem que sejam pequenos bafejos de sorte que nos encoragem e deem força para continuar, para empurrar o barco e nos levem pelo caminho certo.

ora.jpg

 

 

{ Isto não pára! }

Cada vez a minha vida anda mais para trás. Começo a não saber dar a volta a tanta coisa má de uma vez. Ou aos poucos. E que me devastam e arrasam.

 

Hoje caiu-me mais uma bomba em cima e que compromete o meu futuro laboral, Nem quero ainda verbalizar o que me foi dito, na esperança que não seja bem assim, que afinal as coisas nao sejam tão más.

thinking.jpg